23 de fevereiro de 2018

Os universos que a gente viu

Desculpe ter esperado tanto de ti. 

Somos todos, ao mesmo tempo, universo e grão de mostarda. E eu esperei que você enxergasse meu cosmos - mas você não viu. Como poderia? Viu não o que eu tinha, mas o que queria encontrar.

E eu me senti mal por não ser o que você via. Senti-me apenas grão.

Mas não se culpe. O problema não foi você; fui eu.

Fui eu, porque demorei pra perceber que o fato de que você não via as minhas supernovas e galáxias não as fazia menos vastas ou brilhantes. Era só questão de compreensão e, talvez, preferência.

Não se culpa uma criança por não entender física quântica ou derivadas e nem por preferir história ou geografia. E, intrincado que meu universo é, não havia como exigir que você o entendesse. Ou que gostasse dele, tendo outros menos estranhos por aí. 

Assim, fui injusta comigo e com você enquanto tentava me encaixar nas suas lentes e mantinha expectativas sobre promessas nunca feitas. Expectativas altas e, sobre suas costas, pesadas. Também distorci sua imensidão a meu bel-prazer. Ela estava lá, mas com cores e constelações que não me eram favoritas. E eu me convenci de que a Crux* poderia estar lá, desejando que de uma rocha saísse água.

Então, sinto muito; devo desculpas a nós dois. A mim, por me julgar meramente grão. A ti, pelo fardo indevido. E ainda aos dois ao mesmo tempo, por a toda dor que este mal-entendido causou.

Ultimamente tenho tido mais estrelas. Aposto que você também.

______
*Nome de uma constelação.

18 de fevereiro de 2018

Recalcitração





Com tanta diversão livre de sofrimento
Por que ainda se prendem
A brincar com sentimento?


Recalcitração [s. f.]: "Ação ou efeito de recalcitrar (insistir ou teimar); recalcitração ou desobediência".

24 de janeiro de 2018

a trip down memory lane

Acomodado no ônibus, tenho fones de ouvido e um longo caminho à frente. Ligo o Spotify no aleatório e olho pela janela enquanto as melodias guiam meus pensamentos em uma viagem involuntária.


We all wanna be loved
I wanna love somebody
'Cause if we ain't got nobody
Then what do we have?


Loving you, loving you leaves me hurt 
All I do, all I do is get burnt



I know it's not the same
But I feel it anyway
Tell me if that's okay
[...]
I know, I know you've changed
You don't feel the same
You're in my head

É instantâneo: ela me vem à mente e traz um sem-número de memórias a tiracolo. 

Detenho-me: "pensamentos são lugares”. Quero mesmo estar nesse lugar?

Não.

Não obstante, traio-me e deixo a mente vagar pelo que fomos.

mãos 

desconhecidas

vacilantes

num aceno 

num toque de raspão

dadas

num cafuné

familiares 

firmes

numa acusação 

num tapa

cerradas

distantes

pra onde foram?

Freio com a lembrança viva do esconde-esconde. É como invadir cenas de crime pretéritas, isoladas com fita e tudo pela racionalidade - é melhor não cruzar a linha, sob risco de manchar com o que ali houver o presente. 

Basta um movimento em falso.

“Pensamentos são lugares”. Quero mesmo estar nesse lugar?

Não.

Mas meus pés já escorrem o vermelho vivo do sangue de passos descuidados. Só agora percebo estar de pé sobre lâminas ainda afiadas. 

Numa explosão, a dor acorda. Aguda, corrosiva, impiedosa.

E eu me paro. Ou tento. 

Tenho de parar...

De súbito, outra música começa. Santo Spotify!



There's no sense in holding onto something broken
Did you lose something?
Or someone you love?
You've still got that story tell it every morning
[...]
Nothing is perfect
For that there's no cure
So don't you start to bury the good with the bad, and the ugly

Sorrio enquanto assimilo os versos. Não sinto mais arder.

Sinto o agridoce da saudade misturada à gratidão - e à certeza de que estamos onde deveríamos estar.

(A imagem dela é firme. A certeza vacila.

Acontece que a dor parece ser perene - não se vai, apenas adormece.)

Ainda dói, mas não mais arde. E sentir-me assim é recompensador.

Observo os raios de sol que dançam entre galhos e me permito um último sorriso, de repreensão e reconforto, enquanto me preparo para desembarcar - com a sensação de que, dessa vez, verdadeiramente saí do lugar...



And I'll go walking
As far as it takes
And I'll go dancing
Till the rhythm it breaks
Goodbye
I've seen better days you know
We'll take it slow, take it slow, take it slow

26 de novembro de 2017

Resignação

hand, vintage, and light image






Eu tô seguindo em frente
queira eu ou não
(e não é uma escolha)
porque dias não voltam
e nem o seu coração


resignação [s.f.]: "Ação de resignar, de se submeter ao desejo de uma outra pessoa ou a ação do destino; ação de aceitar pacificamente as dores ou sofrimentos da vida".