19 de dezembro de 2016

Turbidez



17h (e alguns minutos) de uma terça-feira qualquer e eu volto pra casa. A chuva é forte; o friozinho, bom. Visto meu moletom favorito, azul com detalhes brancos, e o conforto das gotas no para-brisas + Seafret tocando no carro é quase como um abraço. Quase. E é tudo de que eu preciso, sozinha enquanto dirijo.

Não choro porque prometi a mim mesma que não faria drama dessa vez. Conseguiria organizar meus pensamentos racionalmente. Só que é sempre mais fácil pensar do que fazer; tudo parece tão embaçado quanto a superfície à minha frente. Infelizmente, a vida não tem um botãozinho que deixa tudo mais claro ao toque, tipo um para-brisas cerebral.

Fico pensando sobre o tanto de fatores físicos, químicos e sei-lá-mais-o-quê que estão misturados no resultado que vejo – ou que me impede de ver – no vidro. Do lado de cá, são medos, inseguranças, ansiedade e mais um montante inteiro que tornam tudo mais assustador e o caminho, intrafegável. Por isso mesmo, a culpa parece ser toda minha.

Parece minha por ser tão inconstante, por não ter me encontrado ainda. Vontades inteiras, iniciativas decimais. Com 24 anos de idade na cara, eu já deveria ter uma estrutura de vida - mas não tenho. E te ouvir dizendo isso já pela quinquagésima vez no teu apartamento, irritado e sem qualquer dose de cautela, foi um pouco demais. Tentei te acalmar e evitar toda a gritaria que se seguiu... Sem sucesso. Depois de tudo que foi acusado, me recusei a chorar, principalmente na tua frente. Impensável. Então peguei as chaves e saí muda. Mas não fica convencido, não. Essa bagunça aqui dentro já é de anos, coisa minha comigo mesma

O que só deixa as coisas piores. É a rua ou são meus olhos que estão alagados? Além disso, aqui está muito escorreg...

13 comentários:

  1. "E em meio a tanta ansiedade a culpa é minha, é sempre minha. Erros, precipitações ou talvez o oposto delas. Depois de um tempo percebi que eu precisava ser eu para experimentar o inimaginável e então finalmente seguir. Segui? Isso não sei. Mas, com certeza me sinto mais feliz, pois sei que esse, esse sou eu.
    Espero um dia não lembrar mais de nada, mas...Ah! Não dá, não vai. Foi o primeiro, é sempre único. Então vou disfarçar, colocar de ladinho e orar pra quê um dia desapareça. A verdade é que eu só queria que não doesse mais."

    - Meigo Sincero
    _____________________________

    HeyDebee!
    Amo teus textos, sinto cada palavra!
    Já acompanho há um tempo e fico ansioso esperando o próximo hahahaa.

    Um sorriso! Um abraço! 😊

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma surpresa saber que tu acompanha meu blog, adorei! ♥ Obrigada pelo comentário. Outro abraço!!!

      Excluir
  2. Oba! Mais um!
    Debee, seus textos sempre me levam a criar uma "novela" na minha cabeça. Acredito que é devido a forma que você escreve. Está nos detalhes, sabe? Eles dão um gancho para que eu imagine toda a cena descrita.
    "O que só deixa as coisas piores. É a rua ou são meus olhos que estão alagados? Além disso, aqui está muito escorreg..." A palavra escorregadia escrita dessa forma foi proposital? Porque se sim, me deixou muito curiosa. Quero parte 2 desse textinho!

    Fofura, obrigada pelo comentário delícia de ler no Cartas. Finalmente voltei, né? Hahaha!

    Com amor,
    cartasparacarolaine.blogspot.com.br // @cartasparacarolaine

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AW ♥ Fico muito feliz por isso!!! E foi proposital sim, Anna, quer dizer que ela bateu o carro :(

      Claro, filha, tava com muita saudade dos teus textos - e já percebi que vão ser todos uma delícia de ler!

      Excluir
  3. Em todo texto quero comentar "amo teus textos". Te admiro muito. Quanto talento! Continua sempre escrevendo porque você faz isso MUITO BEM. :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Larinha, isso me deixa muito feliz. Já tinha ficado feliz com um comentário teu antes, e agora ver que tu continua acompanhando só me alegrou mais! Fofa! ♥

      Excluir
  4. DÉBORA CHAVES MIRANDA você fez eu sentir cada palavra, cada vírgula e cada sentimento. Juro que deixei cair uma ou duas (talvez várias) lágrimas.
    Como eu já disse uma vez, nunca para de escrever! Tu consegue colocar emoção até nas ficcionais... Acho que foi Pessoa que disse que o poeta é um fingidor, e você é uma poeta meu amor! Então não se dê ao luxo de deixar essa magia dentro de você morrer.
    Com todo o amor e carinho do mundo
    BD


    P.S.: Me dá uma chance...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAHAH SUA LINDAAAAAAA
      Não vem com graça, já disse que te dou todas as chances to mundo. Vem em mim que (pra ti) eu tô facinha. HAHA ♥ BRIGADA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Excluir
  5. Arrasou de novo, crush! Que texto, que maravilha de texto! Parabéns

    ResponderExcluir
  6. A que mais arrasa nos textos, nos leva pra um universo totalmente particular e nos faz imaginar e sentir o que a personagem está sentindo! Eu amo a sinceridade e sentimentos que passa por suas palavras!!!

    ResponderExcluir
  7. Como eu piro nos teus textos, mulher! Você tem uma delicadeza admirável com as palavras! Espero que continue escrevendo mais e mais - eu sempre irei ler :)

    http://heydebee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir